Whats (51) 99909-3727 ( 51 ) 3472-4501 ( Unidade Móvel ) Agende uma Visita.

HS Consórcios

FAQ

Tire aqui todas as suas dúvidas:

  • addAssembleia

    Na assembleia mensal são apurados os nomes dos cotistas sorteados para a contemplação. É nessa ocasião em que o cliente pode efetuar o lance.

  • addCarta de crédito

    A carta de crédito corresponde ao valor do consórcio adquirido. Com essa carta, o cotista pode adquirir o bem com o poder de compra à vista, o que permite uma melhor negociação com o vendedor na hora da compra.

  • addComo é utilizado o valor ofertado como lance?

    Ao ser contemplado o valor ofertado como lance poderá ser usado como antecipação das parcelas à vencer, reduzindo o prazo de pagamento. Ou poderá ser diluído entre todas as parcelas mensais à vencer, deixando-as de menor valor.

  • addConsórcio

    É um grupo de pessoas (físicas ou jurídicas) que buscam adquirir o mesmo bem. Para isso, elas formam um grupo e depositam mensalmente o valor referente à parcela do consórcio em um fundo comum.

  • addLance

    O cotista pode ofertar um lance para antecipar a contemplação. Um carro usado pode servir de lance para os segmentos de automóveis e caminhões. No caso de imóveis, há situações em que o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) pode ser utilizado.

  • addPosso adquirir mais de uma carta de crédito?

    O consorciado poderá adquirir mais de uma carta de crédito. Caso queria usar para  a compra de um mesmo bem, as cartas de crédito devem ser do mesmo grupo.  Lembrando que o consorciado fica limitado a aquisição 10% de cotas de um mesmo grupo.

  • addProdutos que podem ser comprados via consórcio

    O consórcio tem por objetivo a compra de bens duráveis ou de serviços. Entre as modalidades, destacam-se os consórcios para a aquisição de imóveis, carros, motos e caminhões.

  • addSe demorar para ser contemplado

    Na pior das hipóteses, se o consorciado não realizar lance e for o último sorteado, terá acumulado capital semelhante ao de uma poupança. No entanto, a obrigação do pagamento das parcelas cria uma poupança forçada, o que evita débitos ocasionais.